Um espaço de Debate, Um formular de ideias
 
InícioInício  PortalPortal  GaleriaGaleria  FAQFAQ  BuscarBuscar  Registrar-seRegistrar-se  MembrosMembros  GruposGrupos  Conectar-se  

Compartilhe | 
 

 EUTANÁSIA

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
RosaLati
Convidado



MensagemAssunto: EUTANÁSIA   Seg 12 Fev - 10:57

Caros participantes

A discussão sobre a Eutanásia continuará neste tópico, na sequência do fecho do tópico onde este tema se encontrava inserido.
Voltar ao Topo Ir em baixo
cunha



Número de Mensagens : 24
Data de inscrição : 22/01/2007

MensagemAssunto: Re: EUTANÁSIA   Seg 12 Fev - 11:20

Todos os homens podem, e devem, em qualquer circunstância, considerar que a vida é bela e viver de acordo com isso. Ninguém tem motivos para a considerar desprovida de nobreza e grandiosidade. A dor e as contrariedades sempre fizeram parte da vida dos homens, e nem por isso eles deixaram de a amar.

Mas acontece que nesta vida se sofre realmente, e que - ao contrário do que antigamente sucedia - aqueles que sofrem são agora muitas vezes abandonados pelos outros, e têm de viver sozinhos com a sua dor. À qual se acrescenta, então, a dor enorme da solidão.

Sempre houve doentes e anciãos, mas antigamente eram considerados um tesouro. Agora não passam de um estorvo... E é só por isso que hoje se fala em eutanásia, quando no passado havia apenas o suicídio: o suicídio é uma decisão pessoal; a eutanásia acabará por ser uma imposição da sociedade.

Há em muitas cabeças uma noção da vida que é chocantemente pobre, desagradavelmente rasteira, tristemente vazia. Consiste em olhar para a vida de uma forma utilitária, com base numa concepção egoísta e em critérios apenas económicos: se uma vida não é útil - se não é produtiva, se não proporciona todo o prazer - então não tem razão de ser. Pode eliminar-se, como se elimina um automóvel velho ou sem conserto, um par de sapatos rotos, uma camisola demasiadas vezes remendada.

E nem sequer é nas pessoas muito doentes, ou nos idosos que estão perto da morte, que essa mentalidade é frequente. Não. É nos outros, nos que estão convencidos de que ainda vão ficar aqui muito tempo e se acham no direito de construir uma sociedade com regras que lhes parecem mais perfeitas do que as da natureza, livres de quaisquer critérios e valores que não sejam os económicos e os do bem estar.

A grande questão da eutanásia não consiste em se cada pessoa pode, ou não, ter a liberdade de escolher o seu destino. E também não reside em se uma pessoa pode pedir a outra que a mate.

É ainda pior do que isso: a questão está em que o triunfo desta visão utilitária da vida levaria – como, de resto, já está a suceder na Holanda - à eliminação de pessoas que, não querendo elas mesmas acabar com a vida, são consideradas inúteis por uma sociedade que se tornou materialista (a decisão é transferida para os médicos e para os familiares, e para os parlamentos, que muitas vezes estão ansiosos por se verem livres de um fardo).

Assim é que desaparece realmente a liberdade de escolher o próprio destino, e as pessoas se tornam em objectos à mercê dos interesses económicos e dos falsos critérios de utilidade social.

É muito fácil aproveitar-se da extrema debilidade - física e emocional - de um doente terminal. Até para o convencer das presumíveis vantagens de uma "morte doce". Muito mais fácil do que proporcionar-lhe todo o apoio e carinho de que necessita para levar a vida até ao fim - sem desistir - e morrer com verdadeira dignidade.

A dor é também uma falsa questão. A medicina sabe tirar a dor, e o resto... aguenta-se. O pior é a solidão e o abandono. Isso é que é difícil de suportar. E tem uma solução bem simples... Bastaria que todos os que estão à volta do doente olhassem para aquela vida - para a vida - sem egoísmo.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Longair

avatar

Número de Mensagens : 402
Data de inscrição : 29/08/2006

MensagemAssunto: Re: EUTANÁSIA   Seg 12 Fev - 13:19

HAhahahaha sr cunha vc é o máximo a medicina pode tirar a dor so se for matando ou transformando o ser humano em um vegetal meu caro o ser humano deve ao menos ter direito sobre o seu proprio corpo.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Reiziger

avatar

Número de Mensagens : 148
Data de inscrição : 20/12/2006

MensagemAssunto: Re: EUTANÁSIA   Seg 12 Fev - 18:24

Chamemos-lhe "suícido assistido" e antes de começarem outravez a andar em círculos acenando as bandeiras da moralidade, será conveniente que desta vez se pesquise um pouco e se vá ver o que são as Leis do Suícido Assistido já em vigor noutros países.

Vivi bem de perto duas situações desta natureza, que mais tarde até posso considerar partilhar aqui. Para já vou ver o desenrolar do tópico, porque não me apetece gastar largura de banda desnecessariamente.

Pontos a considerar:
1) O Homem é ou não dono do seu destino;
2) O Homem é ou não responsável pelos seus actos conscientes;
3) Até onde vai a inviolabilidade da vida humana, uma vez que já se determinou onde começa.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Beladona

avatar

Número de Mensagens : 506
Localização : Algarve
Data de inscrição : 25/09/2006

MensagemAssunto: Re: EUTANÁSIA   Ter 13 Fev - 14:10

Passo a transcrever um caso que veio hoje dia 13-02-2007 no jornal 24 Horas:

"Sou uma pessoa alegre.Mas a doença atingiu um ponto que já não dá para suportar"

Kelly Taylor,30 anos,lançou-se numa batalha legal pelo direito a morrer.Esta inglesa de Bristol sofre da síndrome de Eisenmenger e sabe que tem pela frente um penoso ano.Por isso,quer que os médicos a ponham em coma e que,uma vez nesse estado,não seja mantida viva artificialmente,noticiou ontem a imprensa britânica.

"Não quero sofrer mais.Não estou com depressão,aliás nunca estive.Sou uma pessoa alegre.Mas a doença atingiu um ponto que já não dá para suportar",desabafou a doente ao jornal "The Guardian".

Ela pretende agora invocar no Supremo Tribunal a Convenção Europeia dos Direitos Humanos,que bane "tratamentos inumanos ou degradantes"."Espero que o Supremo permita que eu seja sedada até ficar inconsciente",disse.

O problema de Kelly-esclarece a BBC-é que os médicos se recusam a aceder aos seus pedidos,alegando que se trata de um caso de eutanásia Os seus advogados vão alegar que os médicos são obrigados a providenciar um controlo da dor adequado,mesmo que precipite a morte.

No entanto,a Associação Médica Britânica já disse que "é ilegal e antiético",administrar morfina com a intenção de acabar com uma vida.

"Dilema intolerável"

Deborah Annetts,responsável da organização Morrer com Dignidade-à qual Kelly pediu ajuda-revelou que a jovem não vê outra forma de reduzir o seu sofrimento.

"Ela sofre dores constantemente,tem graves problemas respiratórios e escaras.Dorme 18 horas por dia e tem terríveis pesadelos devido à medicação",contou Deborah Annetts à BBC."Ela espera não ter de sair do Reino Unido para poder morrer",acrescentou a activista.

Aquela responsável acrescentou que Kelly se encontra "num dilema intolerável".Por um lado,não suporta as dores nem tem direito a morrer.Por outro,os cuidados paliativos já não funcionam e, para fazerem efeito,têm de ser elevados a níveis fatais.


O que é a síndrome de Eisenmenger?

A síndrome de Eisenmenger ocorre em pessoas com deficiência cardíaca em que se criam "buracos" que permitem que o sangue passe do lado esquerdo para o direito do coração.A esta malformação junta-se um aumento do fluxo sanguíneo pulmonar,que evolui para a hipertensão pulmonar.Estes pacientes apresentam intolerância ao exercício físico,devido à incapacidade de aumentar o fluxo sanguíneo nos pulmões.Tendem também a sofrer síncopes e a maioria dos afectados morre antes dos 30 anos de vida.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
IzNoGuud
Admin
avatar

Número de Mensagens : 418
Localização : Algarve
Data de inscrição : 05/07/2006

MensagemAssunto: Re: EUTANÁSIA   Sex 16 Fev - 4:45

Caros amigos,





A questão da Eutanásia é uma questão complexa, pois apesar de
subscrevermos (alguns) o direito de cada um dispor do seu corpo, essa
fronteira física do "Eu", como bem entendemos.


Como Sociedade, neste momento (nem sempre foi assim) igualmente
discordamos com o recurso ao suicídio como forma de "escape", algo
fácil, a situações incómodas ou complicadas.


Ou seja, que a nossa posição sobre o suicídio é que aqueles que o
pretendam cometer, enveredem por outros caminho e que enfrentem a
situação que os levou a tal consideração.





Segundo este ponto de vista, o que nos leva a enveredar por um debate
sobre a Eutanásia e onde é que a Eutanásia é diferente de um suicídio
(se é que é diferente)?





A discussão sobre a Eutanásia leva-nos a ponderar sobre o queé visto
como a única alternativa (e igualmente definitiva) para um determinado
grupo de pessoas sob condições muito específicas.





Em que é que a Eutanásia é diferente do Suicídio?


Em quase nada, para além da justificação do recurso ao mesmo, passo a expor:





- O suicídio é o acto que alguém procura inflingir a si mesmo (provocar
a própria morte) por questões às quais pensa não conseguir escapar. Até
aqui a definição de Eutanásia é igual, mas todos sabemos que a vida é
para além de frágil, resiliente... um contra-senso no fundo, mas o qual
afirma que a vida procura por todas as formas manter-se.


Ora, sob esse ponto de vista (Social), o suicídio assume então a
expressão de uma "fuga" às responsabilidades de cada um, de uma
"covardia".


Lógico que falo a grosso modo.





Onde há então uma diferença ou justificação em relação à Eutanásia?


A diferença ou justificação é que aqueles que procuram a Eutanásia, são
por norma pessoas que já se encontram numa posição, muitas vezes tida
como límite ou terminal.





Com isto quero dizer que aqueles que se encontram nestas condições
padecem de limitações físicas ou de outros problemas de saúde para os
quais actualmente não há resposta por parte da medicina.


Ora, apesar de existirem casos de restabelecimentos inexplicáveis,
estes dependem no fundo do desejo/capacidade de luta de cada um e mesmo
assim não podendo ser estes casos vistos como norma a seguir, mas sim
como a exceptção.





Ou seja, que quem opta por esta via, no fundo procura "fugir" (poderá
ser visto como tal por alguns) ou sair da sua presente condição, da
qual aparentemente não há fuga.


Esta saída poderá ter várias justificações:





- A perda de gosto pela vida, por achar que a mesma se transformou apenas numa luta pela sobrevivência dia-após-dia.





- O de se achar um "fardo" para terceiros, limitando assim a vida de outros de modo a que a sua possa ser mantida.





- Pelo desgaste económico que a sua situação possa criar.





Etc., etc.. Cada caso é um caso e procurar aqui nestas poucas palavras justificá-los seria reduzi-los a todos.





Mas tudo isto para tentar demonstrar que quem procura a Eutanásia,
procura no fundo manter a sua Dignidade (ou o que resta desta) perante
a Sociedade e quanto muito o seu senso de Orgulho Próprio.


É um querer negar à "morte" desse longo e lento definhar, muitas vezes
cheio de dores e reclamar como último direito o de se encontrar face a
face com uma "morte" inevitável, mas sob as nossas condições.





Note-se que enquanto a nossa cultura presente se divide quanto a este ponto, outras culturas aceitam o mesmo.


Sendo que mesmo na Europa tal aconteceu em tempos e estes polvilham o nosso imaginário.





A título de exemplo, a Sociedade Viking, onde de modo a um homem
assegurar o acesso a Valhalla (a casa dos Deuses Nórdicos) estes tinham
de morrer com uma espada (arma) nas mãos e enfrentar olhos nos olhos a
morte.


Ou na Roma Imperial, onde alguns de aqueles que "viam" a Justiça
Imperial a aproximar-se para os condenar a uma morte certa e reservada
aos traidores, optavam pos assegurar uma última vitória sobre o
Governo, negando-lhe essa morte pública e desonrosa.


Como último exemplo, deixo a escolha de Sócrates, filósofo Grego, o
qual após ser condenado à morte por envenenamento e tendo-lhe sido dada
a hipótese de fuga, organizada pelos seus discípulos com a conivência
do mesmo Governo que o condenou (após não este não ter conseguido fazer
com que Sócrates se retractasse). Opta pelo cumprimento da sua
condenação como forma de protesto contra a injustiça contra si
praticada.





Meus Amigos, o que me dizem quanto a estas palavras?





IzNoGuud

_________________
Não ligues ao que os outros dizem. Escuta-os, analiza e reformula o teu próprio pensar.

Que seja essa a tua força.

Cogito Ergo Sum, I Tego Arcana Dei
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://politica-monarquica.naturalforum.net
Beladona

avatar

Número de Mensagens : 506
Localização : Algarve
Data de inscrição : 25/09/2006

MensagemAssunto: Re: EUTANÁSIA   Ter 20 Fev - 15:44

Caros amigos

Permitam-me fazer um preâmbulo um pouco enciclopédico dos temas em questão,antes de dar a minha opinião,que aliás já tinha dado no anteror tópico sobre este tema.

A Eutanásia é segundo as enciclopédias e de uma maneira geral,a prática pela qual se abrevia,sem dôr ou sofrimento,a vida de um enfermo incurável e,normalmente estando este em estado mental de lucidês.A Eutanásia representa actualmente uma questão de bioética e biodireito.Também se pode classificar em "activa" e "passiva".

Eutanásia Activa conta com o traçado de acções que têm por objectivo pôr término à vida,na medida em que é planeada e negociada entre o doente e o profissional que vai levar e a termo o acto.

Eutanásia Passiva de uma maneira geral é a interrupção de todos e quaisquer cuidados médicos,farmacológicos ou outros,acabando o doente por falecer.

É relevante distinguir eutanásia de "suicídio assistido" na medida em que na primeira é uma terceira pessoa que executa,e no segundo é o próprio doente que provoca a sua morte,ainda que para isso disponha da ajuda de terceiros.A eutanásia passiva, e que eu tenha conhecimento ,de uma maneira geral é praticada na Holanda e Bélgica.

O Suicídio é o acto que consiste em pôr fim à sua própria vida intencionalmente,podendo ser causada entre outros factores,por um elevado grau de sofrimento,que tanto pode ser verdadeiro ou ter a sua origem em algum transtorno psiquiátrico como a psicose aguda ou a depressão delirante.Todavia nestes casos,a probabilidade de actitude tão extrema é consideravelmente potencializada se houver uso continuado de drogas e de bebidas alcoólicas.

Por fim vou definir o que nas enciclopédias se designa por morte:

A Morte é o fim da existência de todo e qualquer ser possuidor de um corpo,que respira,que se move,que tem sentidos e sentimentos,sensações e emoções.Para determinados indivíduos inseridos numa determinada cultura e num determinado contexto,a morte de alguém familiar e conhecido,é algo intensamente doloroso de vivenciar,enquanto que para outros,em contextos,culturas e sociedades diferentes,a morte significa o renascimento,a libertação.Como já foi referido,a visão da morte e a maneira como é vivenciada são aspectos influenciados pela cultura,pela educação,pelos valores sociais e características individuais de cada um.

A Dignidade Humana está sempre acompanhada de perto pelo respeito,pela honra,pela consciência que cada um de nós tem do próprio valor enquanto cidadão e ser humano,detentor de uma vida e de uma individualidade,bem como portador de características únicas que fazem dele um ser sem igual.A dignidade humana comporta também,no seio da sua essência,os valores de uma sociedade.

Depois de todas as definições aqui transpostas concluo,como aliás já percebera,que a Eutanásia e o Suicídio são actos diferentes e que são vistos de maneira diferente consoante vários factores individuais e sociais de quem os estuda e ajuiza.

Pelo meu percurso de vida,dou muito valor a esta (vida) e à sua dignidade como ser humano e, por respeitar o ser humano e os seus direitos e dignidade como tal,sou a favor da eutanásia,e sei bem do que falo.Acho que a sociedade deveria de estudar leis que favorecessem,no meu conceito a dignidade humana e o dispôr do seu próprio ser em situações limite consoante a sua consciência e pedido e a dos familiares próximos,tendo em atenção o estado físico da pessoa já sem retrocesso ou qualquer tipo de esperança.

Quanto às perguntas do caro Reiziger,tenho também a dizer que vivi de perto o caso de um familiar,mas antes desse caso,confrontei-me noutras situações,com o apelo à eutanásia,que ainda hoje me revolta e não esqueço,devido à minha impotência.

Passando a responder-lhe:

1-O homem,no meu conceito,é o seu único dono assim como do seu destino,só há algo superior ao homem,a sua natureza finita.
2-O homem,é responsável por todos os seus actos conscientes,como ser inteligente e pensante.
3-A inviolabilidade da vida humana vai até onde a sua natureza finita ou o próprio homem assim o entenderem.(não pensando nos aspectos legais em vigência).

Só que como já antes disse,o homem vive em sociedade e nesta há normas,regras e leis para a convivência entre o homem ser mais disciplinada e pacífica.E as quais tem de acatar para não se tornar um marginal (caso o não queira ser).Agora,está também no homem,o poder de estudar e modificar essas regras ou leis,para,à medida da evolução deste e da sociedade,elas assim irem correspondendo aos diversos interesses do mesmo e da sociedade.

Este é mais um tema polémico,pois mexe com sentimentos,conceitos e culturas,crenças,etc.,etc.

Todos somos diferentes,e como já disse,com percursos de vida diferentes,que nos trouxeram ao que somos agora,com pensamentos,opiniões e opções diferentes,as nossas verdades,todas elas válidas e todas dignas de respeito,porque todas foram motivadas pelas vivências individuais de cada um de nós.

Um abraço da Beladona
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Reiziger

avatar

Número de Mensagens : 148
Data de inscrição : 20/12/2006

MensagemAssunto: Re: EUTANÁSIA   Ter 20 Fev - 18:29

Só posso falar da Holanda.

http://www.euthanasia.cc/dutch.html

Vai "um pouco" além da eutanásia passiva! Vejamos os critérios:

Citação :
8.39 The substantive requirements are as follows:
· the request for active euthanasia or physician-assisted suicide must be made by the patient
and must be voluntary.
· the patient’s request must be well considered.
· the patient’s request must be durable and persistent.
· the patient’s situation must entail unbearable suffering with no prospect of improvement. The
patient need not be terminally ill to satisfy this requirement.
The procedural requirements are as follows:
· the euthanasia must be performed by a doctor.
· before the doctor assists the patient the doctor must consult a second doctor. Since the 1991
case of Chabot, if the patient has a psychiatric disorder the doctor must cause the patient to
be examined by at least two other doctors, one of who must be a psychiatrist.
· the doctor must keep a full written record of the case.
· the death must be reported to the prosecutorial authorities as a case of euthanasia or
physician-assisted suicide, and not as a case of death by natural causes.

Agora cá. É curioso que no código penal português é crime quem faça propaganda, incite e/ou auxílie ao suicídio, mas não se fala do suicída nem da sua prática!!

Ou seja o suicídio não é crime (ou pelo menos eu não encontrei nada que o considera-se como tal), logo há um reconhecimento legal de que uma pessoa se assim o entender pode pôr fim à sua vida. Nada de "mal" lhe acontecerá caso seja só tentativa falhada. Ora aqui é que eu vejo as coisas um pouco incongruentes.

Uma pessoa pode pegar numa arma e pôr fim à sua vida, duma forma violenta e pouco digna, mas se pretender faze-lo duma forma digna, indolor e acompanhada, ah e tal isso é que já não! Lembra-me um pouco o sketch dos "Gatos"!

Penso que já é tempo de se encarar de frente este problema e de se criar os meios para que as pessoas duma forma consciente, ponderada e informada recorram a este expediente. Afinal penso que podemos todos concordar que só o próprio é que pode determinar o seu grau de resistência à dor e ao sofrimento, sendo que é ele(a) quem o sente.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Beladona

avatar

Número de Mensagens : 506
Localização : Algarve
Data de inscrição : 25/09/2006

MensagemAssunto: Re: EUTANÁSIA   Qua 28 Fev - 17:11

Caros amigos

O conceito de Suicídio,especificando um pouquinho mais e fugindo um pouco ao tópico,varia de cultura para cultura.

O caso é considerado um pecado em muitas religiões,e um crime em algumas legislações.

Por outro lado,algumas culturas vêem tal acto como uma maneira honrosa de escapar a situações vergonhosas ou desesperadas,como o caso do seppuku japonês.

No mundo,815000 pessoas cometeram suicídio no ano de 2000,o que perfaz 14,5 mortos por 100000 habitantes (uma morte a cada 40 segundos),se os cálculos da minha fonte estão correctos.

O suicídio é cometido mais frequentemente pelos homens do que pelas mulheres,talvêz porque as tentativas de suicídio deles (homens),sejam mais drásticas e violentas do que as tentativas delas,e por isso se concretizarem ou serem mais mortíferas.

Em Portugal em 2003,11,1 pessoas por cada 100000 morreram por suicídio sendo que a distribuição por género (sexo) é de 17,1 por 100000 para os homens e 5 por 100000 para as mulheres.

Penso ser difícil a criação de meios para contrariarem os intentos dos futuros suicidas (salvo alguns casos psicológicos),visto que normalmente são momentos muito rápidos,sem tempo para um pensamento lógico,pois quando o suicida começa a pensar nos prós e contras do acto em si, deixa de tentar o suicídio devido ao instinto de sobrevivência que todos temos, se sobrepor à intenção de se matar (isto em diversas situações),pois os estados psicológicos,de dignidade e de honra são diferentes consoante as culturas e crenças.

Um abraço da Beladona
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Beladona

avatar

Número de Mensagens : 506
Localização : Algarve
Data de inscrição : 25/09/2006

MensagemAssunto: Re: EUTANÁSIA   Sex 2 Mar - 16:59

Caros amigos

Cá volto eu mais uma vez com um artigo sobre este tema que saiu hoje dia 02-03-2007 no DN da jornalista Fernanda Câncio,pelos vistos,a nossa vizinha Espanha está mais uma vez à nossa frente em casos de humanidade:

Andaluzia concede eutanásia a mulher que a pede há anos

Immaculada Echevarria chamou-lhe "milagre".Há trinta dos seus 51 anos acamada,esta espanhola com distrofia muscular progressiva e que está quase completamente paralisada pedia há muito que lhe pusessem termo ao sofrimento.Na terça-feira,o Conselho Consultivo da Andaluzia,órgão de assessoria jurídica do governo autónomo daquela região espanhola,reconheceu-lhe o direito a morrer-no caso,a ser-lhe desligado o ventilador,pedido que efectuou formalmente a 20 de Novembro de 2006.

"Quanto mais depressa se puser na prática a decisão do Conselho Consultivo melhor,não é justo continuar a viver assim",diz Immaculada."A vida que levo é pior que qualquer coisa.Deveriam ouvir-me,a vida é minha,há que respeitar a minha vontade".A Associação "Derecho a Morir Dignamente" (DMD),que apoiou Ramon Sampedro-o galego cuja luta pela eutanásia foi narrada no filme Mar Adentro,de Alejandro Amenabar-já se congratulou com esta decisão,que de resto veio confirmar a apreciação do Comité de Ética da região autónoma,formulada há um mês.

"É um grande passo em frente,que pode estabelecer os fundamentos para petições de outros pacientes que estejam nas mesmas condições",afirmou Fernando Marin,presidente da DMD,frisando que "não há nenhum precedente em Espanha para este caso,em que um doente pede conscientemente a retirada do equipamento respiratório".O que há,explica,"são pessoas que o fizeram à margem do sistema de saúde ou profissionais de saúde que desligaram o ventilador a pacientes em coma ou em estado vegetativo".

Determinante terá sido,para a decisão do Conselho (aprovada por maioria,com voto contra de um membro nomeado pelo Partido Popular),o facto de a Comissão de Ética ter reconhecido que o pedido de Immaculada se inscrevia num direito já reconhecido pela lei como fazendo parte da autonomia dos pacientes-o de "recusa de tratamento".

Agora,o governo andaluz deverá certificar,junto de Immaculada,que ela quer mesmo o que pediu.Existe já uma avaliação efectuada por psicólogos e psiquiatras do hospital de Granada onde ela está internada há nove anos que atesta que a paciente não sofre de depressão nem de qualquer outra patologia psíquica.

Se Immaculada persistir na sua decisão,haverá ainda que saber como exactamente se processarão as coisas,já que desligar um ventilador a uma pessoa consciente é condená-la a uma morte aflitiva,por asfixia.O que a paciente sempre pediu,afinal,foi "uma morte digna,sem dor".
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Beladona

avatar

Número de Mensagens : 506
Localização : Algarve
Data de inscrição : 25/09/2006

MensagemAssunto: Re: EUTANÁSIA   Qui 21 Jun - 15:18

Caros amigos

Li ontem tanto no jornal DN como no Público,que 24% dos médicos oncologistas fariam eutanásia se a lei o contemplasse e segundo um inquérito realizado na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto,revela que 39% dos oncologistas portugueses defendem a legalização da eutanásia e o suicídio assistido a doentes terminais,e parece que este número tem tendência a aumentar.O que a meu ver é lógico,visto estes mesmos médicos estarem diariamente a assistir ao enorme sofrimento humano,tendo já sido esgotados todos os tratamentos sem melhoras,ou até por vezes,sem administração de cuidados paliativos praticados por técnicos competentes e táo propalados pelos médicos que são contra a prática da eutanásia,mas, cuidados estes que não chegam a todos os doentes terminais oncológicos e de sida,pois só existem dez unidades destas em todo o país,e destas,só 5 ou 6 unidades estão a funcionar em pleno,além destas unidades,faltam também técnicos e meios.

80% dos médicos oncologistas dizem que estes serviços poderiam evitar a eutanásia,pois ajudariam a manter a qualidade de vida do doente e ao mesmo tempo desenvolvendo-lhe a auto-estima.Embora,eu ache,que o problema vai muito além disto.

O Governo deveria de investir muito mais nestas unidades por todo o país.

Mas, também acho que os médicos deveriam de respeitar os pedidos destes doentes ou seus familiares para acabarem com situações extremas de sofrimento,já sem retrocesso,embora os médicos possam suspender os tratamentos a pedido do doente,como já se faz com as Testemunhas de Jeová,acabando estes por morrerem.Mas,como dizia,todo o ser humano deveria de ter o direito a morrer,segundo a sua consciência e com dignidade,dispensando um sofrimento que não leva a nada,senão a uma cada vez maior degradação física e psicológica para com o próprio e para com a família que assiste a tudo sentindo-se cada vez mais impotente e incapaz.

Ramón Sampedro,citado no meu último post,dizia:

"Viver é um direito,não uma obrigação".

Eu também o acho.

Tomei conhecimento,que o Governo quer mexer neste assunto,agora não sei se para legislar ou referendar.

Beladona
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: EUTANÁSIA   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
EUTANÁSIA
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Porque a Monarquia também é Política :: Visões Políticas :: Nada de Politiquices-
Ir para: